Samira Simon, psicóloga e mãe de aluno

“Só as crianças sabem o que procuram”…

Esta frase de Saint-Exupéry, do seu conhecido e adorável livro, o Pequeno Príncipe, traduz pra mim uma parte da proposta que me levou a escolher a Escola Experimental:

Acreditar no mundo da criança, apostar que elas têm dentro de si todo o potencial para a sua construção em pessoas equilibradas, saudáveis, amorosas, autônomas, que se aventuram na vida, aprendendo a lidar com as oportunidades e também com os reveses.

Escolhi a Experimental porque ela investe nessa criança, desenvolvendo as bases essenciais para um futuro feliz, mas sem perder de vista que é no presente que se vive. Um presente onde todos vemos o horizonte; onde toda criança têm o mesmo direito de existir, se expressar, ser amada e aprender.

A inclusão é uma marca que me toca na escola. Inclusão das diferenças, das cores, das raças, das ideias. Assim como é a síntese, marca Experimental que me cativa.

Presente e futuro caminham juntos ali sem se excluírem, as crianças não são reconhecidas como meras sementes do amanhã, elas são a realidade esplendorosa do hoje.

Arte e pensamento caminham de mãos dadas; a razão que é tão enaltecida pela escola, é também acompanhada da beleza e sensibilidade da arte. Sem falar do afeto, que é mola indispensável da aprendizagem.

Os alunos também são convidados a transitar pelo mundo Individual e coletivo, olhando para dentro de si, mas também para fora, reconhecendo a existência do outro.

Para mim Experimental é um espaço de Liberdade da Expressão de ser o que se é. Não numa visão fatalista e pessimista, mas sim numa perspectiva de aceitação, inclusão e aposta de que com amor, respeito e dedicação o crescimento sempre chega!

Eu quero que meus filhos tenham a experiência de serem livres para pensar e se expressar, de reconhecerem a realidade a sua volta e se verem como sujeitos transformadores dessa realidade.

E isso, dentro de uma atmosfera de cuidado e diálogo, sem medo, sem dor…

Por isso, todos lá em casa somos Experimental!